sábado, 29 de novembro de 2014

os limites do corpo humano



Quanto peso podemos carregar?




São freqüentes os serviços que exigem dos trabalhadores o levantamento e transporte manual de pesos. Pode ocorrer, no entanto, que em conseqüência de desconhecimento ou negligência dos procedimentos corretos a serem adotados, os trabalhadores sejam surpreendidos por dores lombares, entorses, deslocamentos de disco e hérnias. O SESMT ? Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho - da empresa tem plena capacidade de transmitir os procedimentos corretos aos trabalhadores em treinamento adequado, mas muitas empresas não contam com tais profissionais em seu quadro de funcionários, até mesmo porque nem todas são obrigadas por lei a tal.

Para um operário brasileiro, os limites de peso que podem ser levantados sem causar problemas à sua saúde, segundo especialistas, são apresentados a seguir. Caso haja necessidade de levantar manualmente volumes com peso maior que o indicado, o trabalho deverá ser realizado por dois funcionários.


QUAL O LIMITE DE PESO DA CARGA PARA UMA PESSOA LEVANTAR?


A postura adotada pelo corpo durante as atividades de elevação de peso, representa um dos aspectos mais relevantes para o profissional de SHT.

Chaffin, em 1991, demonstrou em seu modelo biomecânico a relação entre a carga suspensa entre os níveis L5 e S1. Nessa demonstração o aumento da distância horizontal entre a mão e a coluna vertebral a cada 10 cm resulta em um aumento de 1 000 N (aproximadamente 100 Kg) na força de compressão sobre o disco intervertebral daquela região, comprovando o conhecimento empírico de que a melhor maneira para levantar uma carga é mantê-la próximo ao corpo.

Embasado nas pesquisas de Chaffin, o National Institute for Occupational Safety and Health – NIOSH, estabeleceu os limites individuais para o levantamento, o transporte e a deposição manuais de cargas em 1/3 da massa corporal da pessoa. Além disso, determinou que a compressão máxima sobre o segmento L5-S1 da coluna vertebral durante esse tipo de atividade é de 6.400 N, enquanto que o limite inferior considerado como sobrecarga inicia-se em 3 400 N.

É de se considerar que o posto de trabalho em que será realizado o levantamento e o deslocamento da carga deve estar adequadamente preparado para essa atividade.

Como exemplo, as bancadas e as prateleiras devem permitir a aproximação da carga ao eixo central do corpo, alem de possibilitar a movimentação plena dos joelhos em flexão, entre outros.

Também temos que considerar a altura mínima para iniciar o movimento de levantamento de uma carga que pode variar de 50 a 75 centímetros, sendo o deslocamento vertical não deve ser maior que 25 cm, independente da estatura do trabalhador.

O intervalo entre os levantamentos não deve ser inferior a noventa segundos, intercalando-se períodos de atividades mais leves que tenham 120 % da duração de tempo da atividade de levantamento.

Alem disso, os objetos a serem transportados devem ter alças ou furos laterais de formato arredondado, favorecendo a pegada com ambas as mãos. Deve-se evitar a presença de cantos cortantes, protuberâncias ou temperaturas extremas.

O transporte de um objeto com o uso de uma única mão deve ser evitado a todo custo, pois tensões assimétricas representam acentuado risco de desgaste das articulações do lado do corpo que suporta a carga.

Os objetos com peso um pouco superior ao estabelecido pelo NIOSH devem ser manipulados por uma equipe de trabalhadores com estaturas e biótipos semelhantes para que o trabalho seja executado de forma coordenada; esse procedimento é denominado princípio do deslocamento a quatro ou a seis mãos.

Apesar disso, sempre que possível, a atividade deve ser feita com o auxílio de equipamentos.

O piso da área de trabalho deve ser duro e possuir superfície plana, pois a presença de atritos e vibrações exige maior força para a plena execução do deslocamento.


Extraído do livro Fisioterapia Preventiva – Fundamentos e Aplicações
Do Prof Paulo Deliberato – Editora Manole  - 2002


sexta-feira, 4 de julho de 2014

ENGENHARIA DO MOVIMENTO

A ENGENHARIA DO MOVIMENTO

Porque precisamos de operadores qualificados nos içamentos e operações com cargas



Diante da crescente dinâmica das operações em minas na região, faz-se notar a exigência de técnicos qualificados para operar e entender a complexidade dos movimentos de materiais, equipamentos e máquinas. Sobretudo o deslocamento de elementos de conjuntos mecânicos, de partes e peças  em diversos formatos e tonelagem, em conjunto com a ação humana.

A montagem de um galpão, a carga de um recipiente, os diversos deslocamentos em função do tempo, do espaço, dos elementos estruturantes – cabos, os componentes de guindastes e equipamentos de içamento, são determinantes sua compreensão no conjunto e na ação de serviço, fundamentais para a segurança de máquinas e pessoas.

Elaboramos este curso em idos de 2006. Agora percebemos  uma renovação nos hábitos de segurança, econômica em todas as empresas modernas, com técnicas e tecnologias que visam a preservação do seu patrimônio e da vida de seus colaboradores.

---------------------------------------------------------------------------------------

CURSO - PLANEJAMENTO EM MOVIMENTAÇÃO DE CARGAS - MATERIAIS

Turmas em Canaã e Parauapebas
Investimento - R$ 700,00
Carga Horária - 40 horas
De Segunda à Sexta - Das 19:30 às 22:30

Publico Alvo:

 Profissionais de Segurança do Trabalho;
 Engenheiros;
 Desenhistas / Projetistas;
 Profissionais da Área de Movimentação de Materiais.

Programa:

 Plano de Rigger - Tecnologias;
 Elementos Básicos de Mediação e Conversões Métricas;
 Centro de Gravidade e Princípio da Alavanca;
 Guindastes - Classificação e Aplicação e Componentes;
 Tabela e Diagramas de Carga;
 Condições Adversas (Crítica a Estabilidade);
 Estudo de Rigging;
 Sinalização e Técnicas de Comunicação;
 Lingas;
 Acessórios para Lançamento;
 Segurança na Operação;
 Movimentação de Grandes Cargas;
 Meio Ambiente e o Rigger;
 Desenvolvimento Real de Movimentação e Planejamento.

Mais Informações: (94) 3346-3559 / 3346-2804 / 8808-0287 / 9163-2168 / 8104-1694

E-mail: exclusiva01@msn.com
Endereço: Rua 2, Nº 52, Bairro Cidade Nova - Parauapebas - PA - CEP: 68515000

---------------------------------------------------------------------------------------


Segue partes do curso, momento em que o treinando terá oportunidade de vivenciar  a  elaborado percepção do que é deslocamento de materiais e seu papel no contexto.







Temos  o curso em duas cidades – Canaã e Parauapebas, mas pode ser solicitado para qualquer lugar, deslocamos nosso pessoal e recursos pra atender em canteiros, alojamentos, salas e centros de estudo, em todo o Brasil.

Empresas locais, mas que atuam em todo pais, são potenciais clientes para este curso, assim como todas as grandes empreiteiras e montadoras como ANDRADE GUTIERREZ, CAMARGO CORREA,  NORBERTO ODEBRECHT, NOVA INTEGRAL, MAKRO, SANTIN, LOCAR, MACKO, VALE e outras.

Certificados em 3 dias úteis após termino do curso









segunda-feira, 2 de junho de 2014

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E RENOVAÇÃO. NOVAS DEMANDAS DA MINERAÇÃO

CURSO  DE  VULCANIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CORREIAS TRANSPORTADORAS CURSOS DE SINALEIRO RIGGER.

Esta nova oferta de treinamento vem de encontro a forte demanda e a ausência quase completa desses profissionais prontos no mercado de trabalho. Com a simplificação das RACs, em parte devido  a baixa escolaridade dos trabalhadores disponíveis no mercado local, em parte pela pressão e forte demanda de custos – tempo e dinheiro, no retreino dos reprovados, temos uma oferta maior e uma necessidade de maior atenção ao treinamento especifico das tarefas de mina. Também, com o aumento dos postos de trabalho em serviços de infraestrutura – estradas, ferrovias, pontes para escoamento da produção mineral,  intensa movimentação de máquinas e cargas exigem a qualificação de trabalhadores em novas funções antes relevadas. Neste dois quesitos, o mercado necessita de VULCANIZADORES e de SINALEIROS RIGGER. Conforme descrição  ao final deste texto, a EXCLUSIVA CONSULTORIA oferta estes dois produtos, tanto individual – nosso formato exclusivo, quanto na formação de turmas de até vinte pessoas – teórico e prático.

Disponibilizamos ainda para as empresas, a preparação do PCMSO, PPRA e todos os relatórios de trabalho exigidos. Ainda, temos psicólogos disponíveis para aplicação de testes psicotécnicos e acompanhamento psicológico, dentro da nossa visão holística do trabalhador: Corpo e mente!



Este curso apresenta os conceitos básicos para a movimentação de carga, bem como as sinalizações corretas de acordo com as normas de segurança.

Rigger é o responsável pela preparação da carga, execução de todas as manobras que estão planejadas no plano de içamento.
 
Carga horária 16 horas;
Aulas teóricas  pode ser de  manhã, a tarde ou noite;
Aulas práticas nos em  dias livres ou finais de semanas;
Apostilas gratuitas;
Certificado e carteira do operador entregues 24 após conclusão;
Inicio imediato;







FORMAÇÃO DE RIGGER -SINALEIRO
Objetivo: Com o objetivo de atingir o máximo em Segurança no Trabalho, este curso foi desenvolvido seguindo rigorosamente normas nacionais e internacionais, considerando Técnicas de Movimentação e Içamento de Carga, além de Padrões e normas internas de grandes indústrias nacionais.
Público Alvo: Este curso é indicado para pessoal com envolvimento direto na manobra e coordenação de campo, tais como Líderes, Encarregados, Supervisores e demais profissionais com curiosidade sobre o assunto como capacitação complementar.
Instrutores: Instrutores credenciados para o treinamento proposto.
Certificação: Será emitido um certificado para cada participante do curso, contendo seu nome, as horas/aula cumpridas pelo aluno, e no verso o conteúdo programático.
Também será fornecido um termo de encerramento do curso, que, juntamente com as listas de presença, são evidências da realização do treinamento.
A empresa contratante deverá encaminhar, com o prazo de 01 dias de antecedência, relação nominal e RG dos participantes do treinamento para que os certificados sejam entregues em até 01 dia útil após a realização do curso.

Como eu faço para dizer ao operador o que eu quero que ele faça com a carga que esta em seu guindaste?

Quando você aluga um guindaste ou guindauto (caminhão munk), você quer utilizar ao máximo este equipamento fazendo valer todo o dinheiro aplicado.
Você precisa ser capaz de comunicar de forma rápida e eficiente com o operador, para que este possa fazer o que exatamente você precisa que seja feito. Felizmente para que este comunicação seja feita de forma clara e segura, existe uma linguagem universal para orientar os movimentos do guindaste… Os sinais manuais.
Estes mesmos sinais são usados oficialmente em todo o mundo … mas aqui no Brasil, vemos algumas variações bastante criativas, por isto sempre que um sinaleiro entra em um canteiro de obras este deve conversar com o operador e os demais sinaleiros sobre as praticas locais, pois, esta variações são regionais e de empresa para empresa.
Não tenha medo da longa lista de sinais, você pode orientar de forma muito eficaz os movimentos do seu operador de guindaste.
Pois com a prática este se tornam simples e intuitivos, pois isto o sinaleiro deve sempre atuar com atenção e a prática continua, abaixo algumas das responsabilidades que o sinaleiro deve saber:

  • O sinaleiro se torna aos olhos do operador de guindaste. Muitas vezes, o operador não pode ver a carga, seja ao longo de um telhado plano ou do outro lado de uma parede, etc…  As vezes mesmo a carga bem a sua frente dele, o operador não pode ver através dela e prever onde possa haver um obstáculo.
  • O sinaleiro deve ter consciência de cada movimento que a carga fará a cada sinal. CO Os sinais para guindaste destinam-se a dizer ao operador do guindaste o que ele fazer e em qual direção a carga irá. Um sinal faz com que o guindaste se mova, gire suba e desça carga.
  • Certifique-se que seus sinais são visíveis para o operador. Existe um sentimento de que o mantendo um contato visual com o operador este estará vendo seus sinais. Errado … E esta é uma falsa percepção que um bom sinaleiro tem que trabalhar duro para mudar, pois um bom sinaleiro deve saber quando seus sinais estão sendo visto, interpretados e executados pelo operador. Muitos operadores ignoram os sinais por acreditarem que já sabem o que deve que ser feito, isto é uma prática ariscada, pois o sinaleiro que deve orientar o operador e não o contrario. Um bom operador sabe que ele não pode executar nenhum movimento de seu equipamento sem que lhe seja dada uma orientação

 

Porque utilizar sinais se é mais fácil simplesmente falar o que quero?

Esta é uma pergunta comum a muitos, alguém podem achar o uso da comunicação verbal muito mais simples, já que dispomos de uma infinidade de palavras e de dispositivos de comunicação e um dos mais utilizados no canteiro de obras é o rádio comunicador. Para alguns falar CERTO é simples mas para alguns…
Bem… Sim, talvez… Acho que… Pode descer, desce um pouquinho, um bocadinho, um tantinho… Não, sobe… Sobe!!! Sobe!!! Para, para, para!!! Xiiiii bateu… Assim como a comunicação pode parecer simples, também pode se tornar algo complicado e estressante.

 

Vantagem do uso dos sinais

  • Clareza. O “vocabulário limitado” dos sinais padrões evita um duplo entendimento, enquanto a comunicação verbal pode apresentar hábitos regionais como sotaque, gírias e termos diferentes o que dificulta o entendimento. Um “Sinaleiro” só pode utilizar um sinal, ou uma combinação de sinais, para orientar um determinado movimento da máquina.
  • Velocidade. A velocidade que viaja uma imagem é similar a velocidade da luz. Mais importante ainda, com a prática, a mão humana pode formar um sinal complexo mais rápido do que a língua possa emitir uma única sílaba.
  • Distância. Os guindastes geralmente são utilizados quando se necessita de um raio maior de alcance ou a carga deve ser manuseada sobre de obstáculos. Instruções verbais se tornam mais difíceis de interpretar entre o locutor e o ouvinte, mesmo o uso do rádio que pode sofrer interferência e chiados com isto aumentando o risco de desentendimento e movimento errados.
  • Barulho. Em um ambiente industrial ou de construção existe muito barulho, o que pode interferir em uma comunicação verbal, quando utilizamos sinais este barulho não interfere em nada.
O  curso de Sinaleiro Rigger possibilita ao profissional orientar o operador de equipamentos de içamento de carga (ponte rolante, empilhadeiras, macaco hidráulico, guindauto e caminhões especiais), verificar possíveis interferências, isolar área e aplicar check list para a operação.
Conteúdo Programático:
1) Tipos de equipamentos usados para movimentação de cargas
     (gruas, guindastes, talhas, pontes rolantes, empilhadeiras etc)
2) Definição dos elementos de içar
3) Guindastes
4) Sinais convencionais usados nas operações com guindastes
5) Precauções e cuidados durante a movimentação de cargas
6) Armazenamento de materiais
7) Montagem e instalação de equipamentos
8) Amarração de cargas
9) Segurança : legislação e normas regulamentadoras
Habilitação: Sinaleiro Rigger - Duração: 16 horas - Turnos: Matutino e Noturno.



Parte 1

terça-feira, 1 de abril de 2014

RAC – REQUISITOS DE ATIVIDADES CRITICAS - OPERADOR DE CAMINHÃO GUINDAUTO – SINALEIRO DE RIGGER – OPERADOR DE RIGGER

Nossos cursos e treinamentos são oferecidos em caráter individual. Há muito percebemos a necessidade dos nossos clientes, em obter atenção especial, focada na sua demanda especifica. Enfrentamos o desafio do treinamento individual, sempre que possível.
RIGGING é engenharia de movimento. É arte pura, aliada a muito calculo e percepção de oportunidade. Rara aplicação de logística de materiais e movimento, o operador de rigging é o artista do movimento seguro. Nosso curso tem 10 anos e já formou grande numero de operadores. Agora, temos uma nova demanda local e estamos prontos para fornecer material tanto para estudo a distancia, quanto para nossas salas de aula, em turmas ou individual.
SINALEIRO DE RIGGER é a nova exigência e linguagem das empresas. Temos uma estrutura desenvolvida  para nossos treinamentos de SINALEIRO, e para todos os cursos que envolvem movimentação de materiais, tais como GUINDASTE, MUNCK, PLATAFORMA ELEVATORIA, SKY e outros equipamentos. Adaptar nosso cursos para especifico SINALEIRO DE RIGGER  foi uma tarefa tranqüila e com conhecimento de causa.
OPERADOR DE EQUIPAMENTOS, são cursos voltados para motoristas ou operadores não certificados. Partimos do principio legal, onde a carga de aulas praticas sequem requisitos da lei. TODA A CARGA PRATICA é feita individualmente, como nas AUTO ESCOLAS.

NOSSOS CLIENTES, tanto em testes psicotécnicos, quanto em cursos teóricos e práticos, contam com todos os prestadores de serviços ativos para Carajás e Região, tais como JULIO SIMÕES LOGISTICA, SOTREQ, METSO, PARCAN, RADIADORES NACIONAL, LUCRAIA, MECAMÓVEIS,  FORMATTO, SAAEP, RIWA, DUCOL, PRAXAIR, dentre tantas outras, todas descritas em nossos blogs. Visitem: nossosservicos1.blogspot.com ou nos visite, R. 2 nr 52 – Cidade Nova – Parauapebas/Pa.













sexta-feira, 14 de março de 2014

TREINAMENTO PROFISSIONAL E HUMANIDADE. COMO NOS TORNAMOS REFERENCIA EM EDUCAÇÃO EMPRESARIAL EM CARAJÁS.

Percebemos ao longo desses anos, a ocorrência deste importante fator de aprendizado em alunos aprendizes ou operários adultos e qualificados. É um problema quando não detectado  pela escola e treinado seus instrutores para a importância da prática direcionada. Muitos dos nossos alunos retornam pelo nosso foco na pratica em treinamento profissional. Leiam:

A Dislexia
O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura

Peanuts Collector Club
A dislexia é uma das mais comuns deficiências de aprendizado. Segundo pesquisas realizadas, 20% de todas as crianças sofrem de dislexia – o que causa com que elas tenham grande dificuldade ao aprender a ler, escrever e soletrar. Pessoas disléxicas – e que nunca se trataram – lêem com dificuldade, pois é difícil para elas assimilarem palavras. Disléxicos também geralmente soletram muito mal. Isto não quer dizer que crianças disléxicas são menos inteligentes; aliás, muitas delas apresentam um grau de inteligência normal ou até superior ao da maioria da população.
A dislexia persiste apesar da boa escolaridade. É necessário que pais, professores e educadores estejam cientes de que um alto número de crianças sofre de dislexia. Caso contrário, eles confundirão dislexia com preguiça ou má disciplina. É normal que crianças disléxicas expressem sua frustração por meio de mal-comportamento dentro e fora da sala de aula. Portanto, pais e educadores devem saber identificar os sinais que indicam que uma criança é disléxica - e não preguiçosa, pouco inteligente ou mal-comportada.
A dislexia não deve ser motivo de vergonha para crianças que sofrem dela ou para seus pais. Dislexia não significa falta de inteligência e não é um indicativo de futuras dificuldades acadêmicas e profissionais. A dislexia, principalmente quando tratada, não implica em falta de sucesso no futuro. Alguns exemplos de pessoas disléxicas que obtiveram grande sucesso profissional são Thomas Edison (inventor), Tom Cruise (ator), Walt Disney (fundador dos personagens e estúdios Disney) e Agatha Christie (autora). Alguns pesquisadores acreditam que pessoas disléxicas têm até uma maior probabilidade de serem bem sucedidas; acredita-se que a batalha inicial de disléxicos para aprender de maneira convencional estimula sua criatividade e desenvolve uma habilidade para lidar melhor com problemas e com o stress.
A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura


Causas da Dislexia
As causas da dislexia são neurobiológicas e genéticas. A dislexia é herdada e, portanto, uma criança disléxica tem algum pai, avō, tio ou primo que também é disléxico.
Diferentemente de outras pessoas que não sofrem de dislexia, disléxicos processam informações em uma área diferente de seu cérebro; não obstante, os cérebros de disléxicos são perfeitamente normais. A dislexia parece resultar de falhas nas conexões cerebrais. Felizmente, existem tratamentos que curam a dislexia. Estes tratamentos buscam estimular a capacidade do cérebro de relacionar letras aos sons que as representam e, posteriormente, ao significado das palavras que elas formam. Alguns pesquisadores acreditam que quanto mais cedo é tratada a dislexia, maior a chance de corrigir as falhas nas conexões cerebrais da criança. Em outras palavras, a dislexia, se tratada nos primeiros anos de vida da criança, pode ser curada por completo.
Para melhor entender a causa da dislexia, é necessário conhecer, de forma geral, como funciona o cérebro. Diferentes partes do cérebro exercem funções especificas. A área esquerda do cérebro, por exemplo, está mais diretamente relacionada ą linguagem; nela foram identificadas três sub-áreas distintas: uma delas processa fonemas, outra analisa palavras e a sétima reconhece palavras. Essas três subdivisões trabalham em conjunto, permitindo que o ser humano aprenda a ler e escrever. Uma criança aprende a ler ao reconhecer e processar fonemas, memorizando as letras e seus sons. Ela passa então a analisar as palavras, dividindo-as em sílabas e fonemas e relacionando as letras a seus respectivos sons. Ą medida que a criança adquire a habilidade de ler com mais facilidade, outra parte de seu cérebro passa a se desenvolver; sua função é a de construir uma memória permanente que imediatamente reconheça palavras que lhe são familiares.  Ą medida que a criança progride no aprendizado da leitura, esta parte do cérebro passa a dominar o processo e, conseqüentemente, a leitura passa a exigir menos esforço.
O cérebro de disléxicos, devido ąs falhas nas conexões cerebrais, não funciona desta forma.  No processo de leitura, os disléxicos recorrem somente ą área cerebral que processa fonemas. A conseqüência disso é que disléxicos tem dificuldade em diferenciar fonemas de silabas, pois sua região cerebral responsável pela análise de palavras permanece inativa. Suas ligações cerebrais não incluem a área responsável pela identificação de palavras e, portanto, a criança disléxica não consegue reconhecer palavras que já tenha lido ou estudado. A leitura se torna um grande esforço para ela, pois toda palavra que ela lá aparenta ser nova e desconhecida.
A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura


Sinais e Características de Dislexia
O ideal seria que toda criança fosse testada para detectar se ela sofre de dislexia. Porém, o sistema educacional brasileiro é deficiente e há uma falta de recursos na maioria das escolas do País. Portanto, é importante que pais e professores fiquem atentos aos sinais de dislexia para que possam ajudar seus filhos e alunos.
O primeiro sinal de possível dislexia pode ser detectado quando a criança, apesar de estudar numa boa escola, tem grande dificuldade em assimilar o que é ensinado pelo professor. Crianças cujo desenvolvimento educacional é retardatário podem ser bastante inteligentes, mas sofrer de dislexia. O melhor procedimento a ser adotado é permitir que profissionais qualificados examinem a criança para averiguar se ela é disléxica. A dislexia não é o único distúrbio que inibe o aprendizado, mas é o mais comum.
São muitos os sinais que identificam a dislexia. Crianças disléxicas tendem a confundir letras com grande freqüência. Entretanto, esse indicativo não é totalmente confiável, pois muitas crianças, inclusive não-disléxicas, freqüentemente confundem as letras do alfabeto e as escrevem de lado ao contrário. No Jardim de Infância, crianças disléxicas demonstram dificuldade ao tentar rimar palavras e reconhecer letras e fonemas. Na primeira série, elas não conseguem ler palavras curtas e simples, têm dificuldade em identificar fonemas e reclamam que ler é muito difícil. Da segunda ą quinta série, crianças disléxicas têm dificuldade em soletrar, ler em voz alta e memorizar palavras; elas também freqüentemente confundem palavras. Esses são apenas alguns dos muitos sinais que identificam que uma criança sofre de dislexia.
A dislexia é tão comum em meninos quanto em meninas.
A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura


O que pode ser feito?
Nunca é tarde demais para ensinar disléxicos a ler e a processar informações com mais eficiência. Entretanto, diferente da fala – que qualquer criança acaba adquirindo – a leitura precisa ser ensinada. Utilizando métodos adequados de tratamento e com muita atenção e carinho, a dislexia pode ser derrotada. Crianças disléxicas que receberam tratamento desde cedo apresentam uma menor dificuldade ao aprender a ler. Isso evita com que a criança se atrase na escola ou passe a desgostar de estudar.
É importante enfatizar que a dislexia não é curada sem um tratamento apropriado. Não se trata de um problema que é superado com o tempo; a dislexia não pode passar despercebida. Pais e professores devem se esforçar para identificar a possibilidade de seus filhos ou alunos sofrerem de dislexia. Crianças disléxicas que foram tratadas desde cedo superam o problema e passam a se assemelhar ąquelas que nunca tiveram qualquer dificuldade de aprendizado.
Foram desenvolvidos diversos programas para curar a dislexia. Não há um só tratamento que seja adequado a todas as pessoas. Contudo, a maioria dos tratamentos enfatiza a assimilação de fonemas, o desenvolvimento do vocabulário, a melhoria da compreensão e fluência na leitura. Esses tratamentos ajudam o disléxico a reconhecer sons, sílabas, palavras e, por fim, frases. É aconselhável que a criança disléxica leia em voz alta com um adulto para que ele possa corrigi-la. É importante saber que ajudar disléxicos a melhorar sua leitura é muito trabalhoso e exige muita atenção e repetição. Mas um bom tratamento certamente rende bons resultados.  Alguns estudos sugerem que um tratamento adequado, administrado ainda cedo na vida escolar de uma criança, pode corrigir as falhas nas conexões cerebrais ao ponto que elas desapareçam por completo.
A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura


Toda criança necessita de apoio e paciência. Muitas crianças disléxicas sofrem de falta de autoconfiança, pois se sentem menos inteligentes que seus amigos. Porém, um bom tratamento pode curar a dislexia. Muitos disléxicos tiveram grande sucesso profissional; existe uma alta porcentagem de disléxicos entre os grandes artistas, cientistas e executivos. Muitos especialistas acreditam que pessoas disléxicas, por serem forçadas a pensar de forma diferente, são mais habilidosas e criativas e têm idéias inovadoras que superam as de não-disléxicos.
Apesar das salas de aula estarem lotadas e apesar da falta de recursos para pesquisas, a dislexia precisa ser combatida. Muitos casos de dislexia passam desapercebidos em nossas escolas. Muitas vezes, crianças inteligentíssimas, mas que sofrem de dislexia, aparentam ser péssimos alunos; muitas dessas crianças se envergonham de suas dificuldades acadêmicas, abandonam a escola e se isolam de amigos e familiares. Muitos pais, por falta de conhecimento, se envergonham de ter um filho disléxico e evitam tratar do problema. Isso é lamentável, pois crianças disléxicas que recebem um tratamento apropriado podem não apenas superar essa dificuldade, mas até utilizá-la como beneficio para se sobressair pessoal e profissionalmente.
Fontes:
Time – July 20, 2003 – The New Science of Dislexia – By Christine Gorman
http:/www.interdys.org/index.jsp

A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura

Será que seu filho é disléxico?

Entre 3 a 6 anos

Na pré-escola

1. Ele persiste em falar como um bebê?
2. Freqüentemente pronuncia palavras de forma errada?
3. Não consegue reconhecer as letras que soletram seu nome?
4. Tem dificuldade em lembrar o nome de letras, números e dias da semana?
5. Leva muito tempo para aprender novas palavras?
6. Tem dificuldade em aprender rimas infantis?

Entre 6 ou 7 anos

Primeira-série

1. Tem dificuldade em dividir palavras em sílabas?
2. Não consegue ler palavras simples e monossilábicas, tais como “rei” ou “bom”?
3. Comete erros de leitura que demonstram uma dificuldade em relacionar letras a seus respectivos sons?
4. Tem dificuldade em reconhecer fonemas?
5. Reclama que ler é muito difícil?
6. Freqüentemente comete erros quando escreve e soletra palavras?
7. Memoriza textos sem compreendê-los?

A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura

Entre 7 e 12 anos.
1. Comete erros ao pronunciar palavras longas ou complicadas?
2. Confunde palavras de sonoridade semelhante, como “tomate” e “tapete”, “loēćo” e “canēćo”?
3. Utiliza excessivamente palavras vagas como “coisa”?
4. Tem dificuldade para memorizar datas, nomes ou números de telefone?
5. Pula partes de palavras quando estas tem muitas sílabas?
6. Costuma substituir palavras difíceis por outras mais simples quando lá em voz alta; por exemplo, lá “carro” invés de “automóvel”?
7. Comete muitos erros de ortografia?
8. Escreve de forma confusa?
9. Não consegue terminar as provas de sala-de-aula?
10. Sente muito medo de ler em voz alta?
A partir dos 12 anos
1. Comete erros na pronúncia de palavras longas ou complicadas?
2. Seu nível de leitura está abaixo de seus colegas de sala-de-aula?
3. Inverte a ordem das letras – “bolo” por “lobo”, “lago” por “logo”?
4. Tem dificuldades em soletrar palavras? Soletra a mesma palavra de formas diferentes numa mesma página?
5. Lá muito devagar?
6. Evita ler e escrever ?
7. Tem dificuldade em resolver problemas de matemática que requeiram leitura?
8. Tem muita dificuldade em aprender uma língua estrangeira?

A Dislexia

O que é dislexia? Causas, Sinais e Cura

Muitos pais recorrem ą escola para avaliar se seus filhos sofrem de dislexia. Se você suspeita que seu filho é disléxico, mas a escola na qual ele estuda não faz testes de dislexia e não tem especialistas que ajudam crianças disléxicas, procure um outro profissional qualificado. Um bom programa educacional para crianças disléxicas precisa estabelecer objetivos específicos de progresso para o ano letivo. É necessário dedicar muita atenção para que a dislexia seja superada; sendo assim, seja paciente com um aluno ou filho disléxico, e não deixe que ele sofra de baixa auto-estima. Incentive-o a buscar novas atividades e interesses, tais como esportes ou música, e sempre o recompense quando ele progredir em seus estudos.


Fontes: Time – July 20, 2003 – The New Science of Dislexia – By Christine Gorman http:/www.interdys.org/index.jsp